investir no Brasil ou no exterior

Olá, amigos investidores!

 

Investir no Brasil ou no exterior? Esta é uma pergunta muito recorrente que vejo nos comentários dos vídeos on YouTube e também em outros lugares como as redes sociais. Alguns defendem tirar todo o patrimônio do Brasil e outros defendem que por aqui, temos melhores oportunidades do que no exterior. Entretanto, podemos combinar as estratégias de investimentos tanto no Brasil quanto no exterior.

Já diante mão eu digo que não há uma reposta certa entre investir no Brasil ou no exterior. Não existe uma única regra de investimentos nem uma única estratégia. Você vai precisar conhecer suas necessidades e seu perfil para decidir o que fazer, portanto estude bem o seu caso e as opções de investimentos antes de começar.

O assunto é muito bom de ser debatido e é por isso que hoje trago neste post um comentário excelente que tive no vídeo postado no dia 19 de setembro. Um seguidor comentou sobre um estudo feito por ele, onde investir no Brasil traria mais retornos.

Foi uma troca de ideia muito promissora e trago aqui para que vocês tenham conhecimento e possam participar também. Além de trazer os comentários, viu tecer algumas considerações de minha parte para que você reflita também. Entretanto, espero que não confunda mais sua cabeça.

Investir no Brasil ou no Exterior?

 

Antes de trazer os comentários, preciso dizer que o cenário desenhado para este estudo foi de um único aporte, ou seja, você teria feito a estratégia do Lump Sum. Portanto, considere que você tenha vendido um apartamento e investido tudo de uma única vez.

Outro ponto a considerar é que ele fez uma estratégia de recebimento de dividendos. Não foi considerado ganho de capital nem investimentos em small caps ou outra estratégia qualquer. É importante frisar isso para que não haja comparações com cenários e estratégias diferentes.

Não vou trazer a planilha aqui porque não ia conseguir explicar. Se o seguidor me der autorização, faço um vídeo bem explicativo depois. Por enquanto, investir no Brasil ou no Exterior, neste caso, está sendo considerado apenas um aporte. Vamos ao comentário.

Comentário 1 do seguidor

Calculei em planilha o resultado do recebimento de dividendos nos últimos 10 anos de 5 empresas americanas e de 5 empresas brasileiras de setores equivalentes. O resultado é que o ganho de dividendos assim como o patrimônio resultado das ações brasileiras superam as americanas em 62% em dólar.

A explicação é que:

  1. O percentual de dividendos das ações brasileiras é muito maior. Enquanto na bolsa americana o topo da média de pagamento de dividendos ficam em torno de 4%, no Brasil se consegue 10%
  2. A inflação brasileira, muito maior que a americana, é repassada no preço dos produtos das empresas que consequentemente faz com que nominalmente, o lucro das empresas cresça mais que as americanas e consequentemente, os dividendos também são reajustados pela inflação. Tanto o percentual maior dos dividendos assim como o percentual de reajuste dos dividendos pela inflação superam a valorização do dólar, como calculei em 62%.

Somente uma desvalorização do real muito acima do que foi nos últimos 10 anos faria esse resultado ser diferente. Se a pessoa morar no exterior e tiver ações brasileiras boas pagadoras de dividendos de boas empresas também se beneficiará.

Meu comentário 1

 

Muito Obrigado pelo comentário. Pode compartilhar o estudo? Acredito que existem outros fatores a serem considerados. Quando a gente faz esse tipo de estudo, acabamos selecionando ativos mais vencedores por olhar pra trás mas existe o fator “surpresa”.

Qual empresa brasileira paga dividendos em 10% durante 25 anos? Já nos EUA nós temos. Todo estudo depende das variáveis que foram inseridas. Se quiser compartilhar, me envie um e-mail [email protected]comoinvestirnoexterior.com

Olá Alex. Planilha enviada. Abaixo vou compartilhar com seus leitores o racional por trás de algumas políticas de pagamento de dividendos das empresas americanas e brasileiras, cada uma com uma finalidade de negócios específica.
O racional é: As políticas de dividendos das empresas americanas e das brasileiras diferem em sua finalidade. As americanas não pagam o máximo que podem ou seja, não optam por pagar um payout alto mas sim pagar poucos centavos a mais ano a ano, criando o conceito de pagamento crescente de dividendos a x anos.
É mais uma estratégia de marketing para fidelizar investidores em um país de pouca inflação, Estados Unidos, o que relativamente viabiliza esse pouco aumento do dividendo.
Já as empresas brasileiras tem outra finalidade. A maioria delas tem controladores que são grandes grupos internacionais ou são empresas estatais, no caso de controladores brasileiros. Como o Brasil é um país de perfil especulativo, esses controladores tem a política de usar essas empresas para envio de lucros para suas sedes em outros países ou no caso das estatais, para alimentar o caixa dos estados ou do governo federal.
Sendo assim, elas utilizam o maior payout possível no pagamento de dividendos. Por exemplo: Nos Estados Unidos a Coca-Cola, Exxon Mobil entre outras são as “empresas cabeça” donas de várias subsidiárias pelo mundo. As subsidiárias geram o maior payout possível com objetivo de remessa de lucros para as “cabeças”, enquanto que essas distribuem o menor dividendo possível a seus acionistas, apenas o suficiente para serem caracterizadas como Dividend Aristocrats ou outra classificação qualquer.
Analisando o histórico de pagamento de dividendo vemos elas pagam um ou dois centavos de dólar ano a ano, mesmo que sua margem de lucro permitisse pagar muito mais. No Brasil entretando, Banco Santander e a Vivo pagam o maior payout possível para enviar lucro para suas sedes na Espanha, Transmissão Paulista para sua controladora na Bolívia, TAESA para o Governo de Minas Gerais, ITAUSA para os herdeiros e controladores das famílias Setúbal e Villela, etc.
Para nós como pequenos investidores cabe pegar carona na fonte de renda desses grandes conglomerados e famílias brasileiras, se o objetivo é viver de renda passiva.

Meu comentário 2

 

Excelente. Realmente isso faz muito sentido e concordo plenamente com você. A questão que trago é sobre o pequeno investidor que não consegue especular em qualquer mercado.

No Brasil o especulador sai-se muito bem ganhando dinheiro. Nos últimos dois meses muitas pessoas ganharam muito dinheiro com essa volatilidade mas o trabalhador que economiza um pouco todos os meses está vendo sua carteira cada vez mais negativa e ótimas empresas como o próprio BBAS e BBSE com preços bem baixos.

Não tenho dúvidas que há oportunidades de ganho de capital nessas empresas mas voltemos ao “afegão médio”. No Brasil podemos citar quantas empresas que pagam excelentes dividendos há mais de 10 anos?

Quando vamos para o mercado internacional, mais precisamente o americano, temos muito mais empresas com histórico de pagamento de dividendos e de ganho de capital. As aristocratas são apenas uma categoria e algumas delas pagam mais de 4% de dividendos, o que faz muito sentido tratando-se de inflação pequena, como 1% em alguns países.

Sendo assim, temos mais chances de “acertar” o ativo e mais diversificação do que no Brasil. Outro ponto interessante é que algumas dividend aristocrats cresceram até mais de 5 vezes em 10 anos, ou seja, ganho de dividendos e ganho de capital junto.

Ainda tem a valorização do dólar que saiu de R$ 1,80 para R$ 5,50. Perceba que não descarto a bolsa brasileira mas manter todo o patrimônio no Brasil não acho saudável. Existem oportunidades ótimas no Brasil mas na minha visão todos devem ter uma parte no exterior.

Recebi a planilha e vou dar uma lida. Gostei tanto do papo que vou transformar em um post e colocar lá no site. Debates nesse nível são ótimos para reflexão. Fique à vontade para colocar suas ideias aqui.

Outros estudos sobre investir no Brasil ou investir no exterior

 

Este assunto é recorrente e eu já tinha feito um vídeo simulando se dava pra viver no Brasil com os rendimentos no exterior. Na época, em uma parte da planilha, eu esqueci de mencionar o imposto de 30% dos dividendos, no entanto eu comentei depois.

Vou deixar o vídeo aqui embaixo caso você não tenha assistido.

O que acho muito interessante é ver os pontos de vista e experiências diferentes. Após alguns dias desse vídeo acima, o Sr. IF. 365, que já é independente financeiramente e vive de dividendos, fez um podcast contando sua experiência como FIRE.

Vou deixar o episódio aqui embaixo e sugiro ouvi-lo após assistir o vídeo que fiz e deixei acima.

Considerações Finais

 

Este tema é muito interessante e já podemos ver que temos praticamente 3 épocas diferentes neste post. O assunto não foi esgotado mas o post já está bem grande, portanto, acompanhe os comentários tanto aqui quanto no canal do YouTube. Vou deixar o vídeo aqui embaixo.

Farei também um vídeo com essas considerações. Vou analisar a planilha que recebi e comento com vocês.

E você ai? O que acha de receber dividendos no Brasil e morar no exterior? E de receber dividendos no exterior e morar no Brasil?

Bons investimentos.

Alex.

Curtiu? Avalie post
Alex Mendes

Author Alex

Alex Mendes é o autor no site Como Investir no Exterior e do blog bpmilhao.com. Investe no Brasil desde 2007 e no exterior desde 2016.

More posts by Alex
0 0 votes
Article Rating
Inscreva-se
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário
Novos comentários
Comentários antigos Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
trackback
12 dias atrás

[…] entanto, como você já sabe, sou um entusiasta de investir diretamente no exterior. Sendo assim, vou comentar como converter suas BDR XPBR31 em stocks da XP Inc diretamente nos […]

Translate »
1
0
Que tal deixar seu comentário? Ele será bem vindo!x
()
x
Get our best healthy recipes and nutrition tips straight to your inbox!
Get Healthy Now! Extra Health Updates
Sign Up
Your privacy is important to us